No novo filme “Cadillac Records”, que conta a história do pioneiro do selo d1217929_beyonce_musica_242_239e blues de Chicago Chess Records, Beyoncé Knowles faz uma entrada triunfal. Interpretando a cantora Etta James (amo), Knowles é apresentada para o co-fundador do selo Leonard Chess (Adrien Body) em um quarto de hotel, ela esparrama-se pela cama e fala: “Não olhe para mim como se eu não estivesse vestindo nada”. Ela então xinga todo mundo e todas as coisas antes de se esconder no banheiro, onde ela solta a voz que resultou em uma longa série clássica de sucessos do R&B para James.

Estou começando a ver Knowles – uma das poucas estrelas do pop com uma imagem de boa garota – praguejando na sua performance. Mas sua mãe, Tina, que veta todos os roteiros que são submetidos a ela, acenou para este como certo, percebendo que a cantora de vida difícil poderia ser o papel de sua vida.

Até então, o papel mais importante de Beyoncé havia sido no filme “Dreamgirls: Em Busca de Um Sonho” (2006), pelo qual foi indicada para o Globo de Ouro. Porém, seu estudo sobre a vida de Etta e seu trabalho no filme não somente enriqueceram sua atuação dramática, como também mudaram o curso de seu novo álbum, intitulado I Am… Sasha Fierce, que está sendo lançado pela Music World/Columbia.